Sarna Demodécica – Tem cura? Tratamento, Sintomas, Remédios

Uma doença que pode afetar os cães é a sarna demodécica. Ela também é conhecida como demodicose ou sarna negra. A doença é causada por um ácaro minúsculo, o Dermodex canis, muito pequeno que dificilmente é visto a olho nu. Estes parasitas passam diretamente da mãe infectada para os filhotes, por contato físico direto, quando eles costuma ter entre dois e três dias de vida.

A sarna afeta, principalmente, cachorros filhotes. Porém pode também ser desenvolvida em cães adultos com baixa imunidade. A alta presença de sarna demodécica em algumas crias sugere que alguns cachorros de raça nascem com uma probabilidade imunológica debilitada.  Ou seja, a doença é considerada genética. Para isso, é muito importante verificar e avaliar o canil antes de adquirir um cão de raça.

Algumas raças caninas têm uma maior predisposição para desenvolver a doença. São elas: o pastor alemão, o doberman, o dálmata, o pug e o boxer.

O que é a sarna demodécica?

A sarna demodécica resulta da proliferação do ácaro Demodex canis. São seres que já habitam de forma controlada a pele do cachorro. Porém, quando há descontrole, os ácaros se reproduzem rapidamente e em excesso ocasionando alterações na pele  do animal.


A doença tem fácil contágio para outros cachorros. E, ainda, pode ser passada para gatos que tem contato com o animal infectado pela doença. Em seres humanos, a sarna demodécica não é contagiosa. ou seja, humanos não desenvolvem a doença.

A manifestação da doença pode se dar de duas formas. São elas: a demodicose juvenil e a adulta. A primeira delas aparece em cachorros jovens e que apresentam predisposição genética. A segunda surge na fase adulta e acomete os cachorros com baixa imunidade. Além desta classificação, a sarna demodécica pode ser caracterizada de acordo com o quadro clínico como localizada e generalizada.

Tipos de sarna demodécica

Sarna Demodécica

A sarna demodécica localizada aparece em cães menores de um ano de idade. Na maioria das vezes ela é resolvida de forma espontânea. Neste quadro clínico, observa-se nos cachorros doentes algumas características como, por exemplo, áreas de alopecia, ou seja, ausência de pelos.

Além disso, pele avermelhada (conhecida como eritema), hiperpigmentação (o animal passa a apresentar locais com pele escura, preta ou acinzentada) e, por último,  uma descamação. As lesões aparecem com maior frequência na face do cachorro doente, mas podem ser localizadas no corpo todo. Uma pequena porcentagem desses casos evoluem para a forma generalizada da doença.

A doença é vista como generalizada quando várias áreas são infectadas tais como as patas. Também é comum diversas áreas circulares com a ausência de pelos ou até mesmo no corpo todo do animal doente. Esta é uma forma severa de manifestação da  sarna demodécica com lesões inflamatórias, pústulas (feridas semelhantes a espinhas) e até formação de crostas.

As lesões costumam se agravar por meio de infecções secundárias. Muitas vezes elas ocorrem através de bactérias e de  leveduras. Isso pode gerar infecção entre os dedos, mais conhecida como pododermatite.

As agravações do quadro geral da sarna demodécica podem causar outras doenças consideradas sistêmicas como, por exemplo, infecção generalizada no sistema linfático, letargia e até febre.

O animal infectado também pode desenvolver outras infecções de pele que são associadas as formas mais graves de infecções tais como: furunculose e fístulas.

Sintomas da sarna demodécica

Os sintomas mais comuns da doença são: inflamações, infecções bacterianas secundárias e reações de hipersensibilidade. Nestes casos, a pele do animal doente fica mais espessa e com coloração diferente (escura) podendo surgir as crostas. Não é comum haver coceira. Pescoço, cabeça e membros são as áreas mais afetadas pela sarna demodécica.

Diagnóstico

O diagnóstico da doença é bem simples e pode ser realizado no consultório do veterinário. É feito com a retirada de múltiplas escamas de pele na tentativa de localizar os ácaros. Geralmente, o especialista conta com o auxílio de um microscópio. Em algumas situações pode ser necessária a realização de uma biópsia de pele para confirmar o quadro clínico.

Tratamento eficaz

Para o tratamento eficaz da sarna demodécica, o veterinário deve receitar um tratamento tópico localizado e banhos especiais  durante todo o tratamento.

A medicação deve ser aplicada com uma camada de pomada posta no pelo do animal para minimizar a queda ainda maior de pelos. Nas duas ou três semanas que tratamento é realizado poderá dar a impressão de que a região afetada está pior.

Após o período de acompanhamento junto ao veterinário é importante levar o cachorro que teve sarna demodécica para ser examinado novamente.

A sarna demodécica tem cura. Quando ela ocorre em cachorros com menos de um ano de idade, as chances são de 30 a 50 %  de que o animal se recupere. Em cães com mais de um ano de idade, a cura espontânea é improvável.  A grande maioria dos cães afetados pela doença alcançam a cura com tratamento intenso e acompanhamento de especialista.

Tratamento caseiro para sarna demodécica

Remédio para sarna demodécica

Como qualquer outra doença que venha a ser desenvolvida em cachorros é necessário um acompanhamento de especialista para avaliação. Desta forma o veterinário poderá assegurar qual é a enfermidade e o melhor tratamento para o animal. Porém, o uso de alguns alimentos e a escolha de algumas atitudes podem contribuir para que o sistema imunológico esteja mais fortalecido. Evitando assim o surgimento de algumas doenças associadas ao sistema imunológico como, por exemplo, a sarna demodécica.

Alho, aveia, probióticos, ômega 3, própolis, cogumelos comestíveis, crustáceos, castanhas, pimentão vermelho, semente de abóbora, girassol, amêndoas, clara de ovo, frutas (preferência para as de coloração amarelas e alaranjadas), gengibre, couve, repolho, rabanete são exemplos de alimentos com ação anti inflamatória. Esses alimentos podem ser ministrados junto com uma ração de boa qualidade.

Além disso, atividades físicas como uma caminhada evitam o estresse e contribuem para o bem estar do cachorro. Respeitar o horário de descanso do cão, manter um ambiente limpo e arejado e a limpeza  de pelos também ajudam.

Cuidados a se tomar

Alguns cuidados podem ser tomados para prevenir que a sarna demodécica apareça ou impedir que ela se propague ainda mais. Os donos de cães que desenvolvem a doença podem seguir algumas orientações e cuidados para que a sarna não acometa ainda mais seu animal.

Por exemplo, castre machos e fêmeas que tenham a doença. Isso irá impedir que os cachorros gerem filhotes com probabilidade para desenvolver a sarna demodécica. Evite o acasalamento de cachorros com a doença. E, ainda, animais que apresentaram a doença depois de adultos, principalmente, depois dos cinco anos de idade, devem ser examinados com mais cuidado para verificar se há possíveis outras doenças no animal.